Go to ...

Jornal Liberdade

Últimas notícias do Brasil e do mundo

RSS Feed

julho 27, 2021

© Getty

Em áudio vazado, Ramos diz que tomou vacina escondido e tenta convencer Bolsonaro a se imunizar


O ministro da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, disse nesta terça-feira (27) que tomou escondido a vacina contra a Covid-19 e que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) está com a vida em risco. Para não perder o mandatário para o coronavírus, o auxiliar afirmou que está tentando convencê-lo a tomar a vacina.

Anúncios

“Estou envolvido pessoalmente tentando convencer o nosso presidente, independente de todos os posicionamentos, que nós não podemos perder o presidente para um vírus desse. A vida dele, no momento, corre risco, ele tem 65 anos [na verdade, 66]”, disse Ramos durante reunião do Conselho de Saúde Suplementar, no Palácio do Planalto.

Desde que mudou de discurso, Bolsonaro, que se posicionava contra a imunização, já falou mais de uma vez que pode ser imunizado, mas que quer ser o último da fila.

No encontro desta terça-feira, também participaram os ministros Marcelo Queiroga (Saúde) e Paulo Guedes (Economia). Eles não sabiam que a reunião estava sendo transmitida ao vivo pela internet.

Ramos disse no encontro que foi orientado a tomar a vacina escondido, mas que a informação acabou vazando.

“Não tenho vergonha, não. Eu tomei e vou ser sincero, porque, porra, eu, como qualquer ser humano, eu quero viver. E se a ciência e a medicina estão dizendo que é a vacina, né, Guedes, quem sou eu para me contrapor?”, disse Ramos.

Em nota, a Casa Civil disse que Ramos foi vacinado em 18 de abril com a primeira dose da vacina da AstraZeneca “como cidadão comum, em seu carro e enfrentando fila como qualquer brasileiro”.

“Ao dizer, de maneira informal, que teria tomado a vacina ‘escondido’, o ministro se referia ao fato de ali estar um dos mais de 38 milhões de brasileiros que já se vacinaram e não um ministro de Estado”, diz o comunicado, que acrescenta que a imunização do ministro foi divulgada na imprensa.

“O ministro, portanto, não tomou a vacina de forma escondida e nunca foi orientado a não relatar tal fato. Apenas não quis fazer desse momento um ato político”, encerra a nota.

O comunicado da pasta não menciona as declarações do ministro sobre o risco à vida de Bolsonaro nem a campanha para que o presidente seja imunizado.

Nesta mesma reunião, Paulo Guedes disse que “o chinês inventou o vírus” da Covid, mas tem uma vacina menos eficiente do que a desenvolvida por empresas americanas.

A frase sobre as vacinas da China e do EUA foi dita num contexto em que o ministro da Economia defendia a maior eficiência de empresas privadas em comparação com o setor público.

“O chinês inventou o vírus e a vacina dele é menos efetiva que a do americano. O americano tem cem anos de investimento em pesquisa. Então os caras falam: ‘qual o vírus? É esse? Tá bom’. Decodifica, tá aqui a vacina da Pfizer. É melhor do que as outras”, disse Guedes.

Os testes clínicos realizados até o momento verificaram uma maior eficácia de imunizantes desenvolvidos por farmacêuticas como Pfizer e Moderna, dos EUA, mas especialistas afirmam que as testagens ocorrem em circunstâncias diferentes e que os dados não podem ser comparados.

Em abril, o governo chinês admitiu que considerava alternativas para elevar a eficácia de suas vacinas contra a Covid-19.

Os ministros aparentavam desconhecer que a reunião estava sendo transmitida pelas redes sociais do Ministério da Saúde.

Ao ser informado que a reunião estava sendo gravada, Guedes pediu que ela não fosse veiculada. “Só não manda para o ar por favor”, disse o ministro da Economia.

Informações Folhapress.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mais posts de Política

E-mail: Jornal Liberdade,