© Ugur Can/DHA via AP

Presidente da Finlândia diz que irá resolver impasse com a Turquia


O presidente da Finlândia, Sauli Niinistö, disse nesta terça-feira (17) que seu país e a Suécia conseguirão chegar a um acordo com a Turquia sobre suas objeções aos planos dos dois países nórdicos de ingressar na aliança da Otan.

“As declarações da Turquia mudaram muito rapidamente e se tornaram mais difíceis nos últimos dias. Mas tenho certeza de que, com a ajuda de discussões construtivas, resolveremos a situação”, disse o presidente durante um discurso ao parlamento da Suécia. “

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta segunda-feira que seu país não irá aprovar a entrada da Suécia e Finlândia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para que um novo integrante seja admitido é preciso que todos os atuais membros concordem com o ingresso do país requerente.

Tradicionalmente neutros, os países do norte europeu sinalizaram a intenção de integrar rapidamente a aliança militar do Ocidente após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Erdogan disse ainda que as delegações sueca e finlandesa “não deveriam nem se incomodar em vir a Ancara (capital da Turquia)” para convencê-la a aprovar a entrada na Otan.

A Suécia decidiu solicitar formalmente a adesão à aliança militar ocidental nesta segunda-feira, seguindo o caminho da Finlândia, que anunciou no domingo a intenção de entrada.

Suécia e Finlândia ficam próximas à Rússia — Foto: Arte g1

Suécia e Finlândia ficam próximas à Rússia — Foto: Arte g1

A Turquia surpreendeu seus aliados da Otan ao dizer, ainda na semana passada, que não via os pedidos da Finlândia e da Suécia de forma positiva.

O país citou o que classificou como “histórico” das nações escandinavas de hospedar membros de militantes curdos.

O presidente Erdogan, chamou os países escandinavos de “hospedagens para organizações terroristas”.

A Turquia disse que deseja que os países nórdicos interrompam o apoio a militantes curdos em seu território e suspendam as proibições de venda de algumas armas para a Turquia.

As informações são do  g1