Go to ...

Jornal Liberdade

Últimas notícias do Brasil e do mundo

RSS Feed

outubro 16, 2021

© Arquivo Pessoal

Vídeo mostra irmã do estudante de medicina Marcos Vitor contando os abusos


Uma menina, com um laço de fita rosa gigante nos cabelos e um coelhinho de pelúcia nas mãos, fala inquieta sobre o que mais gosta na vida. Rodando para um lado e para o outro, numa cadeira giratória, ela conta que adora brincar de esconde-esconde, pega-pega. No fundo da sala, tem uma boneca de pano da Emíila sobre uma mesa. A criança, perguntada, diz que mora com a mãe, o pai e o “maninho”. 

O “maninho”, o estudante de medicina Marcos Vitor Dantas Aguiar Pereira, de 22 anos, tocava nela. Perguntada mais uma vez, ela relata, quase brincando, que ele tocava e beijava partes de seu corpo, “aqui (na pepeca) e aqui”, enumera, apontando para o tórax e para os órgãos genitais. A menina diz que o rapaz dava beijos no lugar que ela usa para ir ao banheiro. 

A cena descrita pela tia, P.C., aconteceu na Delegacia de Proteção à Criança de Teresina, no Piauí, onde uma das duas irmãs do rapaz, indiciado por abuso de vulnerável, prestou depoimento. A gravação faz parte de um vídeo que é mantido em sigilo no inquérito que investiga o estudante por abusos a quatro crianças, duas delas suas irmãs de 3 e 9 anos.

P.C., que é irmã da madrasta de Marcos Vitor, considera que o relato da vítima mais nova do estudante, a menina de 3 anos, é uma das coisas mais chocantes de toda a história de atrocidades que envolve o caso. Ela acredita que o vídeo é também um “tapa na cara” de quem acha que o ocorrido pode ser invenção da cabeça de crianças. A menina, que parece gostar do “maninho”, é questionada sobre quantas vezes ele beijou as partes do seu corpo. A criança, então, abre as mãozinhas e começa a contar, mas faltam dedinhos para explicar o tanto que os abusos se repetiram.

Com informações do Extra. Reportagem de Carla Rocha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mais posts de Justiça

E-mail: Jornal Liberdade,