Go to ...

Jornal Liberdade

Últimas notícias do Brasil e do mundo

RSS Feed

outubro 28, 2021

© Reprodução

“Me jogou na parede e me obrigou”, diz jovem que acusa policial de estupro


A jovem de 24 anos que acusa um policial penal de estupro no Rio contou que está traumatizada e não consegue parar de pensar nas agressões que sofreu. Ela contou ainda que não dorme e não se alimenta direito há três dias.

O agente foi autuado após a denúncia. A ex-presa conta que as agressões aconteceram no sábado (9) no interior de um banheiro do Presídio José Frederico de Morais, em Benfica, na Zona Norte do Rio. Uma policial penal denunciou o caso.

Anúncios

A jovem conta que o agente afirmou que iria adiantar a audiência de custódia dela em troca de sexo oral. Diante da recusa, a obrigou a praticar o ato.

“Eu cheguei para fazer a triagem, né?!, Aí ele falou que eu tinha que sentar e esperar um pouquinho que ele ia conversar comigo. Eu falei: tudo bem. Aí, ele me levou tipo numa carceragem que tem lá, que só é permitida a entrada de mulheres lá, mas ele entrou. A câmera pega ele entrando e eu sentei, né? Sentei assim na cadeira e ele foi. Falou assim para mim: olha, aqui é o banheiro. Vem ver. Aí, eu levantei e fui ver o banheiro. Quando fui ver o banheiro, ele já estava com as partes íntimas para fora e falou assim pra mim: chupa aqui que eu vou adiantar sua audiência de custódia e eu falei: não. Eu tenho advogado. Aí ele: você não tem que querer, aí puxou meu cabelo, me jogou na parede e me obrigou a fazer o b(*) nele”.

A jovem disse que a policial penal que denunciou o caso ficou preocupada ao encontrá-la em estado de choque em uma cela.

O caso foi denunciado ao diretor da cadeia. O agente Alcides Barbosa alegou que a mulher teria concordado em manter a relação com ele.

“Ele admitiu ao diretor que de fato tinha praticado uma relação sexual com essa interna. Admitiu que tinha usado uma artimanha, dizendo para ela que supostamente iria antecipar uma audiência de custódia, o que é uma mentira, ele não tem condição de fazer isso”, disse o secretário de Administração Penitenciária, Fernando Veloso.

A ex-presa nega ter aceito qualquer tipo de acordo.

“Eu falei que não queria, aí ele falou: você vai fazer sim, o sexo oral, começou a me pressionar na parede, ficou mandando eu apertar o peito dele. Eu falei que ia gritar e ele falou: você não vai gritar não. Apertou minha boca”, disse a presa.

A jovem tinha sido presa em flagrante, acusada de levar cinco gramas de maconha para o namorado, que está preso numa unidade socioeducativa na Ilha do Governador. Ela nega a acusação.

O advogado da jovem, Kleber Pereira, acha que pode haver precedentes. “Acreditamos que outras vítimas irão procurar a delegacia para que depois do relatado pela vítima não ocorra mais com outras presas”.

Veloso disse que acionou a Corregedoria da Seap para investigar o caso.

“A corregedoria foi acionada para que apurasse com rigor que a lei permite e ele pode ter uma série de penas em razão disso. E uma delas é a demissão. Ele vai ter o espaço para apresentar o contraditório, ampla defesa, tudo isso. Agora ao final, esse processo vem para mim e nós vamos apreciar isso considerando a gravidade desse fato”, explicou o secretário da Seap.

A ex-presa disse que espera pela punição do policial penal. “Quero que ele pague. Vou tentar seguir minha vida, que não vou seguir minha vida assim rápido porque estou abalada com tudo isso. É uma coisa que me fez muito mal e não sei como vai ser daqui pra frente”.

Com informações do MN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mais posts de Justiça

E-mail: Jornal Liberdade,