Go to ...

Jornal Liberdade

Últimas notícias do Brasil e do mundo

RSS Feed

julho 27, 2021

© Henrique Coelho / G1

Justiça do Rio bloqueia R$ 2,8 milhões em bens de delegado e outros suspeitos de esquema de propina


O Ministério Público do Rio conseguiu na Justiça o bloqueio de R$ 2,8 milhões em bens do delegado Maurício Demétrio e outros envolvidos em um esquema de propina. A determinação partiu da 6ª vara de fazenda Pública da capital.

Anúncios

Preso no fim de junho, Demétrio é acusado de cobrar para fazer vista grossa para a venda de roupas falsificadas na Rua Teresa, em Petrópolis, Região Serrana do Rio.

O bloqueio também atinge três agentes e um perito da Polícia Civil.

Além do bloqueio, a Justiça determinou o afastamento das funções públicas e também a quebra dos sigilos fiscal e bancário de 11 suspeitos cinco integrantes da polícia e mais seis pessoas envolvidas no esquema.

Padrão de vida incompatível

Segundo os promotores do Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ficou constatado que, ao invés de reprimir a prática de delitos como a pirataria na Rua Teresa, os acusados exigiam dos lojistas o pagamento de vantagens financeiras para que estes continuassem comercializando roupas falsificadas.

Além disso, o Ministério Público comprovou que os réus, utilizando as estruturas da Polícia Civil, praticaram diversos atos de obstrução às investigações contra a organização criminosa, incluindo a destruição de aparelhos celulares apreendidos pelo Estado, que continham provas contra o grupo, e a deflagração de duas fases da Operação intitulada “Raposa no Galinheiro”.

A primeira forjada para prender o delegado de polícia Marcelo Machado, que investigava Maurício Demétrio na Corregedoria da Polícia Civil, e para denegrir a imagem de outros delegados que também participavam desta investigação, e a segunda para conduzir para a DRCPIM pessoas que testemunharam contra os réus, visando sua intimidação.

O Ministério Público afirma que os suspeitos, em especial Demétrio, apresentavam um padrão de vida incompatível com seus rendimentos declarados, incluindo, no caso do delegado de polícia, a propriedade de três veículos de luxo blindados, a locação de mansões na Costa Verde mediante pagamentos em dinheiro, a compra de dezenas de relógios e a guarda de grandes quantias em espécie em seu apartamento, localizado em condomínio de luxo na Barra da Tijuca.

Lá, foi apreendida na busca e apreensão realizada na fase I da Operação Carta de Corso a quantia aproximada de R$ 250 mil encontrada em uma mala do delegado.

Informações  G1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mais posts de Justiça

E-mail: Jornal Liberdade,