Go to ...

Jornal Liberdade

Últimas notícias do Brasil e do mundo

RSS Feed

junho 22, 2021

© Reprodução

Árbitra de futsal é agredida com tapa e socos por jogador após expulsá-lo em Parnaíba (PI)


A árbitra de futsal Eliete Maria Fontenele, de 42 anos, foi brutalmente agredida durante partida de futsal em um campeonato realizado na Universidade Federal do Delta do Parnaíba, litoral do estado, na noite de segunda-feira (03/06). A árbitra recebeu socos no rosto após ter expulsado o atleta identificado como Rodrigo, que vestia a camisa 14 na partida. Após as agressões, Eliete caiu no chão da quadra. Ela registrou um boletim de ocorrência e foi encaminhada à Central de Flagrantes, onde requisitou um exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). 

No complexo da Polícia Civil de Parnaíba, Eliete relatou a situação. O atleta teria explodido quando a árbitra puxou o cartão vermelho. Antes dos socos, o jogador já tinha segurado a mão de Eliete para impedir a expulsão. A agressão à juíza aconteceu logo após uma briga generalizada entre os jogadores.

Estava na partida, era a segunda árbitra. No momento em que houve um atrito, uma entrada dura, entre o jogador do time dele com um adversário, o jogador chegou dando uma voadora no atleta, teve um conflito, um tumulto, porrada para cima de porrada. Quando a situação acalmou, lógico que fiz o meu papel como árbitra. Fui ao banco de reservas de um time, dei o vermelho, normal. No momento da expulsão, o Rodrigo bateu na minha mão e dei o vermelho porque se não iria perder a autoridade. No primeiro (soco), desviou. Ele deu o segundo o terceiro, foram fortes, cai no chão e só me vi sangrando  relatou Eliete.

O atleta fugiu da quadra logo após praticar as agressões. A Polícia Militar realizou buscas, mas não conseguiu encontrá-lo.

O árbitro José Barreto Neto, que estava no jogo, testemunhou a agressão.

Foi surreal a agressão contra Eliete, o rapaz totalmente descontrolado, desequilibrado mentalmente. Foi muito triste o que aconteceu, estava fazendo o procedimento dela de expulsar os infratores. Ele chegou a agredir com um tapa, ao ser expulso agrediu com três socos, um ato muito covarde, é lamentável o que vimos narrou.

Em nota, a direção do campus Ministro Reis Velloso repudiou o ato de violência dentro da universidade e informou que “serão aplicadas as normas regimentais e contribuirá com os órgãos de segurança e os procedimentos legais”. Ainda no documento, a UFDPar explicou que os processos de sindicâncias oficiais serão iniciados imediatamente, além disso será nomeada uma comissão para apuração administrativa e que será dada transparência em todo o caso.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com duas décadas de atuação como árbitra, Eliete cobrou por justiça e disse que a denúncia foi necessária para não conviver com o medo.

Não vou abrir mão de justiça. Estava trabalhando, ganhando o meu pão de cada dia. Quando a gente for agredida, nunca podemos deixar de vir denunciar. Você fica com a alma limpa porque eu ia ficar com medo de andar (se não tivesse feito a denúncia da agressão na delegacia). Quero respeito e segurança – cobrou a árbitra. Com informações de Kairo Amaral e Josiel Martins – globoesporte.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Mais posts de Esportes

E-mail: Jornal Liberdade,