© Reprodução

Médicos peritos do INSS fazem paralisação e 24 mil segurados podem ficar sem atendimento


Mais de 24 mil segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em todo o país que esperam atendimento de perícia médica para a concessão de benefícios previdenciários como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez e tinha exames agendados para hoje podem ficar sem atendimento. Médicos peritos fazem uma paralisação de 24 horas nesta segunda-feira (dia 31), no chamado Dia Nacional de Advertência, que pode culminar numa greve por tempo indeterminado. O movimento pode aumentar ainda mais a fila virtual de requerimentos já feitos ao INSS.

Anúncios

Dados de novembro mostravam que de 1.838.459 pedidos de benefícios, pelo menos 691.540 necessitavam de avaliação da perícia médica para serem concedidos. O número de pessoas na fila virtual que ainda aguardam atendimentos periciais não foi informado.

De acordo com o INSS, os segurados que não forem atendidos pela perícia médica nesta segunda-feira terão os atendimentos remarcados. Segundo o instituto, outros atendimentos estão funcionando normalmente nas agências da Previdência Social.

O que querem os médicos peritos

A Associação Nacional de Médicos Peritos (ANMP) reivindica recomposição salarial de 19,99% assim como outras categorias de servidores federais, realização de concurso público, fim da teleperícia e edição de decreto regulamentar da carreira, previsto em lei, entre outros pontos. Uma das reivindicações já foi atendida: o número de atendimentos médicos diários caiu de 15 para 12 por médico perito.

Representantes da categoria entregaram um ofício ao ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, e esperam por um posicionamento da pasta. Enquanto isso, 14.449 pessoas que esperam por avaliação para receber auxílio-doença, 3.878 brasileiros de baixa renda que precisam do Benefício de Prestação Continuada (BPC/Loas) e 5.874 que necessitam de perícias por outros motivos vão ficar sem atendimento nesta segunda-feira. No total, estão agendados 24.201 atendimentos médicos periciais.

Algumas perícias são de benefícios assistenciais e de pessoas em situação de miserabilidade. O reagendamento pode colocar esse segurado na espera por mais um mês ou dois até a próxima perícia critica Adriane Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP).

Atualmente, dos 3.411 médicos peritos em todo o país, 2.853 estão com agenda de atendimento. Os demais estão nos setores de gestão ou afastados.

Movimento de advertência

Em nota enviada ao EXTRA, o subsecretário de Perícia Médica Federal, Eduardo de Oliveira Magalhães, afirmou ser contra o movimento de advertência, principalmente por conta da pandemia e crise econômica que o país atravessa. Ele chama a atenção para o fato de uma possível greve prejudicar a população que mais necessita de benefícios previdenciários.

Procurada, a ANMP não se pronunciou sobre a situação dos atendimentos agendados para hoje. Já a Subsecretaria de Perícia Médica Federal informou que não há um plano de contingência para possíveis faltas, mas estuda como minimizar os danos aos segurados.

O que diz o INSS

O INSS se manifestou sobre o ato da categoria por meio de nota:

“Com relação ao movimento de paralisação convocado pela Associação Nacional dos Médicos Peritos, o INSS informa que o segurado deve confirmar a data e o horário da sua perícia pelo Meu INSS ou telefone 135, que funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h. Se não houver alteração de data, o segurado deve comparecer normalmente à agência no horário marcado para a perícia.

Caso o médico perito não esteja presente para realizar o atendimento, a perícia será reagendada pelo próprio INSS para a data mais próxima, sem que haja prejuízos financeiros para o segurado. Inclusive, com a data de entrada do requerimento mantida, ou seja, uma vez concedido o benefício, ele será reconhecido a partir do dia em que foi dada entrada no pedido. O comparecimento é fundamental para resguardar os direitos do cidadão e para que não seja caracterizada falta do segurado ao exame pericial”, complementa a nota.

“Cabe ressaltar que a paralisação se refere apenas aos peritos médicos federais e aos agendamentos para perícia médica. Os servidores do INSS estão trabalhando e atendendo normalmente aos demais agendamentos”, informa.

E finaliza:

“O INSS respeita e reforça a importância do trabalho desenvolvido pelos médicos peritos de todo o país e está aberto ao diálogo para tratativas de melhorias. Mas, acima de tudo, o INSS trabalha para que os brasileiros sejam atendidos com responsabilidade, segurança e dentro do prazo adequado para que recebam seus benefícios e direitos”.

As informações são do Jornal Extra