Go to ...

Jornal Liberdade

Últimas notícias do Brasil e do mundo

RSS Feed

setembro 27, 2020

© DR

Especialista político prevê maior corrupção no Brasil durante pandemia


Um professor universitário brasileiro advertiu hoje que o Governo federal está deixando “um vácuo” na resposta à pandemia, e que o país poderá assistir à “proliferação da corrupção” e aumento das desigualdades socioeconômicas. Jorge Alves, professor de Ciências Políticas na Queens College de Nova York, Estados Unidos, disse hoje que a falta de uma estratégia nacional de mitigação da pandemia de covid-19 deixa um “vácuo por parte do executivo federal” do Brasil, onde são os governos estaduais e munícipios que “estão intervindo e preenchendo as lacunas”.

Booking.com

O brasileiro foi um dos oradores do debate virtual organizado hoje pela Escola de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade Baruch College.

Para o professor, trata-se de um “custo-benefício” da descentralização do poder em sistemas federais, que causa “muita variação”.

A “instabilidade a nível federal” é também exacerbada, como nos Estados Unidos, quando os governantes discordam sobre teorias científicas ou conselhos a dar à população, considerou.

Com a crise sanitária e econômica colocando “enorme pressão no setor público” para comprar ou distribuir recursos, Alves estimou que o Brasil está numa situação “em que a corrupção vai proliferar” tanto a nível micro como macroeconômico.

“Situações de crise são, frequentemente, oportunidades de corrupção”, em que “existem sempre oportunistas”, disse o professor.

Ele considerou, no entanto, que o Governo federal “tem relativamente melhores políticas de intervenção econômica”, exemplificando medidas protetoras de trabalhos temporários, ou empréstimos a pequenas empresas, políticas que “têm um impacto significativo [positivo] no mercado informal”.

“É necessária uma mensagem clara a nível nacional para trabalhar de maneira organizada, unânime, de preferência, em conformidade com a ciência, para ir numa direção certa e unida”, defendeu.

A pandemia de covid-19 pode vir a ter “impactos socioeconômicos devastadores”, que ainda não são perceptíveis a curto prazo, alertou também o docente.

“Ainda não sentiu o maior impacto”, porque existem rendimentos básicos e ajudas que “servem de escudo e impedem a pobreza de aumentar neste momento”, mas o efeito será diferente a longo prazo, disse.

O professor considerou que a pandemia está dando ênfase às desigualdades que existem, sendo que nem todos têm as mesmas possibilidades de se proteger e nas periferias das cidades ou nas favelas é difícil praticar o distanciamento social.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 696 mil mortos e infectou mais de 18,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo dados da universidade Johns Hopkins.

O Brasil é o país lusófono mais afetado e um dos mais atingidos no mundo, tendo superado hoje os 2,8 milhões de infectados e totalizado 95.819 mortos.

As informações são do Notícias ao Minuto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais posts de Brasil

E-mail: Jornal Liberdade,