© Reprodução

Covid-19: Bebê de um ano morre na fila de espera para leitos de UTI no Distrito Federal


A demora por um leito de UTI na rede pública de saúde do Distrito Federal acabou sendo fatal para um bebê de 1 ano e 4 meses, na última segunda-feira (31).

Anúncios

A criança que testou positivo para covid-19 na terça(1º), faleceu no pronto-socorro do Hospital da Região Leste (HRL), no Paranoá.

O bebê teria entrado na fila da regulação de leitos, com classificação de Prioridade 2, indicada para pacientes que necessitam de suporte ventilatório, no entanto, sem intubação. Segundo a secretaria, o menino já estava recebendo a ventilação não invasiva e o suporte clínico de acordo com a sua necessidade, apesar de não ter ido para uma UTI.

De acordo com informações da Secretaria de Saúde, a morte do bebê ocorreu devido a um quadro respiratório agudo.

“A criança deu entrada na unidade na madrugada do dia 31 de janeiro com suspeita diagnosticada de pneumonia. Recebeu tratamento com antibióticos e iniciou a oxigenação, via cateter nasal, respondendo bem. No decorrer do tratamento, o quadro evoluiu com instabilidade respiratória, motivando a mudança de suporte respiratório para ventilação não invasiva”, disse a pasta.

Na terça, a ocupação de leitos pediátricos UTI e UCI, destinados a tratamento contra Covid-19, no DF, chegou a 100%, enquanto as adultas estavam 95,41% ocupadas até o início da noite.

A Saúde informou a abertura de mais 20 de UTI no Hospital Regional do Gama, seis unidades pediátricas no Hospital da Criança e 10 leitos na estrutura montada no Hospital Regional de Samambaia.

Em solenidade na OAB-DF, o governador Ibaneis Rocha anunciou a contratação imediata de 100 médicos e 800 enfermeiros e técnicos de enfermagem. Segundo o Chefe do Executivo local, o investimento é de R$ 32 milhões.

As informações são do Jornal de Brasília